Páginas

31 de mar de 2009

E no G1...

Funcionários xeretam ficha de mãe de óctuplos e são demitidos

Quinze funcionários do hospital onde Nadya Suleman deu à luz aos óctuplos foram demitidos e outros oito tomaram uma advertência disciplinar por terem 'espionado' a ficha da paciente, informou o porta-voz do Kaiser Permanente.

***

O que eu acho disso?

Danem-se as demissões. Olha o nome do hospital.

Só podia dar dor de cabeça mesmo.

Até que o google os separe

Pelo Google, britânica flagra marido na casa de amante e pede divórcio

Ao navegar no Google Street View, uma ferramenta do Google Earth, uma britânica levou um susto quanto encontrou o carro do marido estacionado na frente da casa de uma amiga. Furiosa, ela contratou um advogado para se separar, segundo reportagem do tabloide "The Sun".

Segundo o jornal, ela visualizou o Range Rover do marido enquanto utilizava Google Street View para bisbilhotar a casa da amiga. O marido tinha dito para a mulher que estava viajando, mas ela reconheceu o veículo devido às calotas personalizadas.


***

E eu achando que ver o Big Brother era emocionante.

27 de mar de 2009

Livrai-nos do mal, amém.

Depois de anos, entrei numa igreja. Tudo o que eu queria era um lugar silencioso pra bater um papo com o “Cara lá de cima”. É que assim, não gosto de padres, pastores, bispos e afins, mas acredito em Deus. Fui. Eu disse que queria silêncio?
A cidade inteira vai na São José na hora do almoço. Mas tudo bem, cada um no seu banquinho. Daí uma mulher bate a porta, mexe as chaves, anda pra lá e pra cá. Passa na minha frente com o molho chacoalhando, conversa com as mulheres do banco ao lado. Barulhenta pra c#%&ralho!
Quando me dei conta tava rezando: “Pai Nosso que eu estás no céu, bendito é o fruto do vosso ventre”. Me peguei xingando os “irmãos” em pensamento. Quer saber? Melhor ir embora. E voltar numa igreja só se for pro casamento de alguém.

26 de mar de 2009

Da série "querido diário"

O negócio é o seguinte: a semana tá corrida, meu estômago tá de sacanagem e eu tô prestes a ter uma recaída amorosa. Concentração, concentração. Nem meditar eu sei, me dá agonia.
Daí o que eu faço: escrevo todos os textos que tenho que escrever, tomo litros de Eno laranja, repito mentalmente que não quero flashback e ok, mais um dia passou.
Logo devo começar um trabalho à noite que vai me dar prazer e dinheiro. Não, nada a ver com putaria. Escrever, escrever, escrever... é isso. Vou segurar a vontade de contar. :P


Hoje tô com vontade é de mandar beijos e mais beijos.

Pra Deise, minha nova irmã desde criancinha. Porque rosas acompanhadas de um bilhete nos deixam nervosas.
Pro Rodrigo, que sempre me deseja uma linda noite antes de dormir e manda beijos mil.
Pro Rafa, que manda eu sonhar com o anjo Rafael. Espertinho.
Pra Francine, a noiva mais linda. Porque sem seus sabonetes eu não sou nada.
Pro Luciano, porque ele vai vencer o Audax e eu vou ficar me exibindo pros outros. Tá vendo o cara que ganhou? Pois é, meu amigo.

E um beijo pro meu pai, pra minha mãe e pra Sasha. Porque eu sempre quis dizer isso.

24 de mar de 2009

Coisa de irmãs

Duvido que alguém tenha uma irmã mais fantástica do que a minha.



E uma irmã mais modesta do que eu ;-)

23 de mar de 2009

Troquinha




Coincidência ou não, foi no Rio Grande do Sul... hehehe



Mas não fui eu, tchê!


**

Obs - não sei qual o jornal publicou a façanha. Sorry.

20 de mar de 2009

Da série: como queimar seu filme em seis tópicos

Há alguns dias recebi a tarefa de responder um meme, contar detalhes que ninguém (ou quase ninguém) sabe sobre mim. Como meu humor não andava lá essas coisas, só conseguia lembrar de fatos tristes, mas ninguém vem aqui pra ler dramas, né? Então foi passando...

Mas é hora de arregaçar as mangas. E mostrar pra Deise, a blogueira querida que me passou o meme, que eu demoro, mas respondo.

Como ela mesmo disse, “bora contar meus segredos queima filme pra vocês”.


1 – Quando eu tinha uns seis anos, minha mãe era professora na escola que eu estudava. Na verdade era ao contrário (eu estudava lá porque minha mãe era professora). Achava isso o máximo. Orgulho danado. E me sentia como aquelas artistas famosas que querem provar que são mais do que “rostinhos bonitos”. Meu desafio era provar que era inteligente e não tirava notas boas porque espiava as provas antes dos outros (nunca espiei, não que eu lembre). Um dia, indo para o colégio, minha irmã e eu corremos na frente e nos escondemos atrás de um muro para dar susto na mãe. Quando ouvimos passos, surgimos do nada, crentes que daríamos O susto. Sim, demos. Na pessoa errada. Uma mulher que passava na rua, nada a ver com a história, levou um susto tão grande que nunca mais me saiu da cabeça.


2 – Aos nove anos eu era coroinha. Minha melhor amiga era apaixonada por um menino, também coroinha, o Diogo. Eu também gostava dele, mas achava pecado gostar do mesmo menino que ela, afinal, minha melhor amiga, né? Bem, ele a chamava de “rochana banana”, um programa que passava no SBT. Eu? err... Diogo me chamava de boca de peixe. (minha boa é pequena, mas carnudinha e nunca ninguém reclamou, hunf!). E ninguém nunca soube que eu também gostava dele.

3 – Certa vez, essa mesma amiga e eu, enchemos embalagens de desodorante com água e fomos pra janela do meu prédio molhar os outros. Bem feito de que passasse lá embaixo. Até que um homem subiu e foi tirar satisfações. Nunca senti tanta vergonha. Corremos pro banheiro, fomos nos esconder. Mas minha avó fez a gente sair e pedir desculpas. Pânico.

4 – Em 1996 a Xuxa fez um show em Floripa. Eu morava praticamente na frente do hotel em que ela e sua tropa ficaram hospedados. Adivinha, né? Fui lá, peguei autógrafos, bati fotos e virei fã desde criancinha das paquitas. Na adolescência tinha mania de colecionar recortes de jornais, revistas... daí estava na biblioteca municipal fazendo pesquisa, quando vi uma pequena foto de uma paquita numa revista. Fiz um esforço sobrenatural para não fazer barulho e rasguei a foto para juntar à minha coleção. Saí de lá me sentindo uma criminosa, furtando pedaços de revistas. Acho que levei semanas para voltar à biblioteca.

5 – Faço parte da comunidade “jornalista só paga mico”, no orkut. Tenho lá minhas razões. Uma vez, entrevistando um padre, perguntei como seria a procissão da santa. “Mas a imagem vai na procissão?”. O “é claro, minha filha” do padre, fez eu me sentir a mais burra entre os cristãos. Mas não foi pior do que pedir ao Carlos para falar com o Dunga (o técnico). Não sei se você sabe, mas o Dunga se chama Carlos. Eu não sabia. E ele se aproveitou da minha inocência (leia-se burrice), para me dar um drible daqueles. Nunca me senti mais foca.

6 – Tenho a mania idiota de lembrar de coisas engraçadas no meio da rua. Ando por aí mordendo os lábios pra não rir. Geralmente não cumprimento os conhecidos, não por maldade, mas distração mesmo. Em compensação, ganho “ois” e sorrisos de desconhecidos que pensam que to cumprimentando eles quando sorrio do nada no meio da rua.


Pensando bem, lembrei de várias outras idiotices da minha vida. Mas fica pra próxima. Fique à vontade para contar suas bizarrices nos comentários. Vou adorar!


Beijos e ótimo final de semana.
Ah, e se alguém ver meu humor por aí, diga a ele que estou com saudade.
AgradIcida.

17 de mar de 2009

Clô

Bastou anunciarem a morte do Clodovil para chover piadinhas na web

Enquanto isso, o site da Câmara confirma a doação de órgãos.

Taí uma pessoa boa. Mesmo após a morte continua dando tudo de si aos outros.


**

Não resisti.

PM

Tenho a mania de “catar” pérolas em reuniões. Na de hoje (com a polícia), a pessoa larga essa:

- A polícia não é de todo ruim.

**

Se foi uma tentativa de elogiar, nem quero ver o xingamento...

12 de mar de 2009

11 de mar de 2009

Amadurecimento

Texto da Martha Medeiros sugerido por minha mana Raiane. Leia, vale a pena!


Promessas de Casamento

Em maio de 98, escrevi um texto em que afirmava que achava bonito o ritual do casamento a igreja, com seus vestidos brancos e tapetes vermelhos, mas que a única coisa que me desagradava era o sermão do padre. "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até que a morte os separe?" Acho simplista e um pouco fora da realidade. Dou aqui novas sugestões de sermões:

- Promete não deixar a paixão fazer de você uma pessoa controladora, e sim respeitar a individualidade do seu amado, lembrando sempre que ele não pertence a você e que está ao seu lado por livre e espontânea vontade?
Promete saber ser amiga(o) e ser amante, sabendo exatamente quando devem entrar em cena uma e outra, sem que isso lhe transforme numa pessoa de dupla identidade ou numa pessoa menos romântica?
- Promete fazer da passagem dos anos uma via de amadurecimento e não uma via de cobranças por sonhos idealizados que não chegaram a se concretizar?
- Promete sentir prazer de estar com a pessoa que você escolheu e ser feliz ao lado dela pelo simples fato de ela ser a pessoa que melhor conhece você e portanto a mais bem preparada para lhe ajudar, assim como você a ela?
- Promete se deixar conhecer?
- Promete que seguirá sendo uma pessoa gentil, carinhosa e educada, que não usará a rotina como desculpa para sua falta de humor?
- Promete que fará sexo sem pudores, que fará filhos por amor e por vontade, e não porque é o que esperam de você, e que os educará para serem independentes e bem informados sobre a realidade que os aguarda?
- Promete que não falará mal da pessoa com quem casou só para arrancar risadas dos outros?
- Promete que a palavra liberdade seguirá tendo a mesma importância que sempre teve na sua vida, que você saberá responsabilizar-se por si mesmo sem ficar escravizado pelo outro e que saberá lidar com sua própria solidão, que casamento algum elimina?
- Promete que será tão você mesmo quanto era minutos antes de entrar na igreja?

Sendo assim, declaro-os muito mais que marido e mulher: declaro-os maduros.

10 de mar de 2009

Apenas mais uma de amor

Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar
Subentendido

Como uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer

Eu acho tão bonito
Isso de ser abstrato, baby
A beleza é mesmo tão fugaz

É uma idéia que existe na cabeça
E não tem a menor pretensão de acontecer

Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então,
A alegria que me dá
Isso vai sem eu dizer

Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber

Salada

No almoço:

A mulher tira a alface do seu prato e coloca no da filha. Olha pra mim e justifica:
- To tomando remédio, não posso comer essas coisas.


Ju-ro.

Coca cola

No MSN (de novo):

Amigo:
To entediado em casa de manhã agora
não sabes de nenhum emprego q pague bem.. trabalhe pouco e ganhe muito
mas só na parte da manhã!

Eu:
mas de manhã é ruim... tem que acordar cedo...

Amigo:
não.. mas só a partir das 9h30

Eu:
ah tá.. das 9h30 ao meio-dia então?
já pensou em virar prostituto?

Amigo:
quanto será q pagariam por este corpinho???

Eu:
tudo é uma questão de desempenho. Pede pra fulana fazer uma avaliação de preço
hahahahaha

Amigo:
hehehe
e o corpinho aí?? tão botando em uso ou não?????
tu sabe q eu sou indiscreto né.... nem te assusta

Eu:
aqui o negócio tá parado :(

Amigo:
temos q dar um jeito nisso... achar uma coca cola

Eu:
coca cola?

Amigo:
não conhece a gíria??? um de negão... preto, grande e comprido...


****


Hum... tipo assim?

6 de mar de 2009

Divas

No MSN:

Mando uma foto pra Milena: eu, ela e nossas tacinhas de frisantes.
O negócio tá lento, e ela:

- acho que a foto tá pesada pelo excesso de beleza.


Rá!


Nada como ter uma amiga ótima no MSN pra alegrar a tarde da gente!

Suspiros

Se você tá aí, de TPM, se derrete ouvindo Endless Love, I'll be there e coisas do tipo, precisando apenas de um empurrãozinho para cortar os pulsos... seus problemas acabaram!

Leia o blog Sentimentos

Pronto. Agora pode suspirar à vontade!


***


Quando eu estiver contigo novamente,
perguntarei se pensas em mim
para ter certeza de que é por isso
que eu não me pertenço mais!

E,
quando eu tiver
tua boca em minha boca
provarei do veneno embriagante
que trará a loucura.
Morrerei de êxtases,
saboreando o gosto do teu beijo!

A tua boca úmida aguça os meus sentidos!
(Cassandra Rios)


***

Lindo!

Ótimo final de semana!

5 de mar de 2009

É mentira da barata

Dentre as inúmeras mentiras que a gente conta, uma em especial tem me causado certa inquietação ultimamente. É aquela em que se diz algo pra alguém, querendo dizer exatamente o contrário. Aquela em que a gente tenta se convencer de que é o melhor a fazer, quando no fundo, sabe que é não é assim. A que falamos não, torcendo pro outro interpretar “sim”. Oras, quanta bobagem!
Se eu quero amarelo, por que dizer que quero azul? O outro interpretará “ela quer azul” e assim será. Logo virá a constatação de que a interpretação não foi a desejada e virá a frustração. Burrice de quem?
Há algum tempo adotei a prática de “joguinhos jamais”. Se eu quero ligar, ligarei. Se estou com saudade, direi. Se estou chateada, idem. Não significa falar tudo o que passa pela cabeça a todo instante. Saber silenciar ainda é ouro. Ouvir, processar, silenciar. Falar na hora certa e exatamente o que se quer dizer, sem maquiar intenções. É isso. Deve ser a fórmula.

Outro dia uma amiga confidenciou sobre um ex que reapareceu. Depois de anos, ele vem com o discurso do “se”, enchendo a caixa de e-mails. “Se” eu tivesse me declarado... “se não tivesse acontecido isso”, “se não tivesse acontecido aquilo”.
“Se” não é nada. É falta de coragem e frustração (olha ela aqui de novo). Por trás dessas palavras, creio, existe uma mensagem escondida: “Ainda to aqui. Ainda to afim. Tais também?”. O medo do “não” impede as perguntas e é mais fácil se esconder atrás dos “se’s”. Da mesma forma, ela deixa-se levar pela nostalgia. Atrás do “pois, é...”, pode se esconder um “sim”. Quem vai saber?

Outra amiga contou dia desses que “terminou” com fulano, mas no fundo não quer ser esquecida. Ah, tá, então eu digo: “me esqueça” e quero ser lembrada. É a velha mania de complicar a vida.

Lembrei do conto “O bom ladrão”, de Fernando Sabino, em que o narrador vê seu casamento morrendo por falta de diálogo e medo de perguntar. Medo das respostas, dos porquês, quando, na realidade, as dúvidas eram mais destrutivas, como no enigma de Capitu.

Estou longe de ser expert em relacionamentos. Sou apenas alguém que, como diz a música, quer saber mais do que os seus vinte e poucos anos. Mas me atrevo a fazer sugestões.
Sugiro que digas sim, quando quiseres dizer sim. Que digas não, quando quiseres dizer não. Pese prós e contras. Saiba das conseqüências. Mas não se engane. E não espere do outro interpretação para seus sentimentos e desejos.
Assuma o risco de ser você. E seja feliz!

Que gentileza!

Sabe quando a pessoa quer ser legal, mas só faz merda? Eu sei.

Estamos lá, no evento chique de um cliente. A fulana chega, cumprimenta os colegas de diretoria. Olha pra mim e pra Lene e vai em nossa direção sorridente.

- Vou cumprimentar vocês também, porque eu não sou dessas que só cumprimenta o alto escalão. Falo com todos os níveis.


Entendeu, peão?

3 de mar de 2009

Carma

Se cada vez que alguém dissesse que eu pareço a Francine eu ganhasse R$ 10, eu juntava um milhão rapidinho. É um tal de parentes, amigos, até clientes... já nem argumento mais.
Até que ontem, estava em um evento com vários empresários, quando uma mulher toda chique (que eu nunca tinha visto) diz que PRECISAVA falar comigo porque eu pareço muito a guria do Big Brother. E quer bater uma foto.
Hã? Posar de sósia de BBB é muito fim de carreira, né? Quero não. Escapei de fininho...

Não sei se quero que ela saia ou não do programa. Porque depois vão dizer que eu pareço aquela ex-BBB. Tem noção? Ex-BBB, mais subcelebridade impossível.



Falta muito pro BBB 10?

2 de mar de 2009

We are carnaval - Final

Como eu disse no “We are carnaval – parte I”, o restante do carnaval eu passaria sóbria. E passei. Mas para quem ficou pensando que na sexta bebi tanto que fiz loucuras ou que nem lembro do que aconteceu, sinto decepcionar. Não teve cenas de sexo selvagem. Não teve striptease em cima da mesa, não teve nada de quente. Sorry.

No sábado encontramos uns caras com chapéu de camisinha. Esse da foto fez declaração de amor pra Loira.



Mas pra um cara com chapéu desse não tem “eu te amo” que dê jeito, né?
Também batemos fotos com chapéu, mas é óbvio que não vou publicar.

Uma das características das pessoas em Laguna é o senso de profissão repórter. Você dá um passo e alguém pergunta seu nome. Mais um passo e querem saber qual sua cidade. Se você responder as duas primeiras, as seguintes serão: idade, e o que faz. Pra que? E não sei pra que perguntam se não acreditam nas respostas. Um sujeito cismou que meu nome não era meu nome. Oras, quer saber mais do que eu? Hunf!

Mas o campeão foi o entrevistador realista. Chegou no meu ouvido e disse que queria fazer três perguntas, pra eu só responder no final. Ok.
Qual seu nome? Quer ficar comigo? Por que não?

Gosto de gente realista.

Daí me aparece um moreno lindo. O sujeito que mais chamou a minha atenção em todo o carnaval. Absolutamente fofo. E adivinhe? Usava um vestido rosa.... hunf!
- É só hoje. – ele justificou.
Aaaaaaahhh bom. Ele devia ser lindo vestido de homem... mas isso é algo que nunca vou saber...

Enfim, segunda voltamos pra casa. Dormi terça o dia todo e passei a quarta-feira off pra não ter que contar pra ninguém sobre o carnaval. Processo de desintoxicação, sabe como é, né?

Pra não dizer que nem falei de flores... algumas imagens de Laguna:


Noivinha simpática, né?


Rafa e o garoto prostituto


Uaaala



Bora trabalhar que o ano começou!
Ótima semana!