Páginas

22 de fev de 2008

Pessoas e pessoas

A gente costuma dizer que conhece pessoas todos os dias. Mas não é bem assim. Nós apenas encontramos pessoas, somos apresentadas e nos “apresentamos”. Conhecer é algo muito mais complexo. Exige tempo e convivência. É realmente mais demorado.

É fácil gostar de alguém quando “achamos” que o conhecemos. Quero ver continuar gostando quando você discorda delas. Quando são contrariadas as pessoas se revelam. Tente pensar diferente para ver o que acontece. Experimente defender o seu modo de vista. Sem entrar no mérito de quem é certo ou errado, as pessoas tiram as máscaras quando são contrariadas.

"Divergência de opinião jamais deve ser motivo para hostilidade". A frase é de Mahatma Gandhi, mas nem todos conhecem.

Há pessoas que você se identifica logo de cara. Há pessoas que você precisa de tempo até se acostumar. Há aquelas que parecem uma coisa, e são outras, e aquelas que são exatamente o que você imaginou.

Pessoas amigas. Pessoas irmãs. Pessoas que se amam ou não se suportam.

Há pessoas legais para se trabalhar. Aquelas boas de conversar. Algumas são ótimas para a diversão. Aquelas que têm sempre razão.
Cada uma é ótima para alguma coisa. Algumas apenas em um ambiente, nada de muito tempo junto ou dividindo a mesma casa. Assim, não há tempo para se revelar completamente e todos continuam na ilusão de que todo mundo é gente boa.

Há pessoas que eu realmente gosto. Aquelas que já deixei de gostar. Umas que gostaria de manter amizade. Outras que não faço a menor questão.

Pessoas são complicadas. Pessoas só pensam em si. Cada um olha pro seu umbigo e é só ele que existe.

Lembrei de várias pessoas agora. Cada uma com sua particularidade, qualidades e defeitos. Todas gostei de “conhecer”, porque algo sempre se aprende. E vivendo a gente aprende que as pessoas são diferentes.

2 comentários:

Altair Magagnin disse...

essa história de pessoas é interessante mesmo né... não lembro de nenhuma frase de gandhi, ou freud, ou nietzsche... alias, lembro da filosofia do último.. o niilismo... a descrença de tudo e todos...

acho q vivemos em um tempo de decepção com as pessoas.. com os políticos, sei lá..

mas tenho a esperança e a confiança de que boas pessoas existem, de que várias nos rondam...

só que a análise tá perfeita, quando se conhecem as pessoas o mais provável é ter uma surpresa em relação ao caráter e a personalidade delas.

Jaqueline Fogaça disse...

Após algumas decepções resolvi reciclar pessoas. Não jogo ninguém fora. Com os bons amigos é fácil saber o que fazer, como me relacionar. Os falsos, aqueles que falam de mim pelas costas e na frente sorriem, eu descobri uma ótima forma de aproveitar: uso conforme meus interesses, sem remorso algum. Se eles são falsos comigo, porque me afastar para ser honesta sobre o fato de não gostar deles? Para bancar a sincera? Ora, que bobagem! Sinceridade é um presente que dou a quem merece. Tanto, que minha melhor amiga veio perguntar a mim o que não ficou bem na festa de casamento dela, pois sabia que só eu teria coragem de falar. E falei.