Páginas

23 de abr de 2010

Metrô

Quem reclama de engarrafamento é porque nunca andou de metrô. Só pode!
Ok, é estressante, mas no carro não tem um estranho fungando no seu cangote ou soltando bafo na sua cara. Quem pega metrô na hora do pico tem passagem pro céu!

Explico: Nos dias que estive em São Paulo fiquei na casa da Rafa, minha prima amada-idolatrada, mas que mora exatamente no lado oposto de onde eu precisava ir todo santo dia. O jeito foi deixar a frescurite de lado e fazer o que fazem todos os pobres trabalhadores (pobres) do Brasil: transporte público.

Etapa 1 - Entre se puder.
Parece fala de virgem, mas não é. Entrar no metrô é uma das tarefas mais difíceis que se pode fazer na vida. Isso porque as mulas se aglomeram na porta, ignorando a existência de um lugar espaçoso chamado corredor.
O trem chega e a multidão se posiciona. Tendo ou não espaço, vão se enfiando de qualquer jeito, empurrando quem está dentro e quem está fora também. Toca o sinal, a porta vai fechar, mas tem sempre um apressadinho que pula e vai com uma ponta de rabo pra fora do trem. Isso porque o tempo entre um e outro é muito longo, sabe. Incríveis um ou dois minutos.

Etapa 2 - Dentro do trem.
Corrimão? quem precisa disso? não há espaço pra cair. Sabe aquela expressão "não tem um chão pra cair morto?" então...
De repente, sinto uma coisa dura cutucando ali atrás. Empurra pra lá, se esquiva pra cá. Ufa! era só um guardachuva.
Olho pra frente e tá lá o Luciano Huck sorridente mandando fazer Estácio. Tá rindo porque não é contigo, né querido?
Situação controlada. Pelo menos, até chegar a próxima estação...

Etapa 3 - Quem tá fora quer entrar, quem tá dentro quer sair.
Não podemos esquecer que em todas as estações há gente querendo entrar... e gente querendo sair. Mas quando chega na Sé a situação piora infinitos porcentos. Salve-se quem puder porque não tão nem aí se você não quer descer ali. Ficou na frente, vai junto.
Conseguiu ficar no trem, beleza. O Luciano Huck continuará lá rindo pra você. Loucura!

Etapa 4 - Desembarque.
Chega a estação final. (Sim, eu ia até a última estação). Mais uma filinha: pra subir a escada. (Filinha é modo de dizer porque eu tô boazinha hoje). Daí é hora de seguir as placas e fazer a transferência pro trem da CPTM. O que? não contei não? Ainda tenho dois trens pela frente!


Quase duas horas depois de sair de casa, chego no trabalho. E só um chocolate quente salva!

Depois dessa temporada, revi meus conceitos de "perto" e "longe". Decidi que preciso morar perto. Perto tipo no máximo uma hora, sabe?

:-P

****

Ok, encontrei muita gente educada e simpática também. Por fim, já tava até dando informações. Espero não ter mandado ninguém pro lugar errado...


No próximo post: "Menas".

11 comentários:

Rafa disse...

Ai q linda "amada idolatrada" rsrsrs... Td dia ela me contava algo novo (historias do metro)... To com saudades prima, volta logo.... E desculpa ai por morar tao longe rsrsrs...
E gente na proxima vez ela vai trabalhar no guiche de informações kkkkk Bjus lindaaa

Altair Magagnin disse...

acho q tu não gostou do metro pq era um guarda chuva!!!!

Kellen Rodrigues disse...

Rafa, saudade tbm!! minha anfitriã lindona e escovada!

Porra, Altair! Vai queimar meu filme. Preciso escolher melhor minhas amizades! rsrs

Rodrigo Brasil disse...

Saudades ja de uma nova postagem, mas vejo que valeu a pena esperar!É o metrô em sampa é angustiante mesmo, imagina entao com malas e tudo, olha nao queira saber como é, hehehe! Parabéns por mais essa nova etapa em sua vida e acredite é só o começo! BEIJOSSS MILLLLLLLLLLLL

Anônimo disse...

Kellen, vc estava trabalhando em SP? nem sabia e tu ja voltou hehehe
sobre pertoe longe... e eu ainda reclamo da distância de Araranguá- Jacinto Machado

heheheheh

bjsss

Rafa costa

Ricardo Chicuta. disse...

Ah mas eu tenho saudades do metrô de São Paulo.E peraí,um metrô e dois trens?Vc. estava onde?Parelheiros?

Anônimo disse...

Finalmenteeeee. De voltaaaaa!!!!! Ansiosa para saber mais detalhes do guarda chuva, quero dizer, do trem, metrô, Abril.....chega sextaaaaa!!!!!!!

Beijo. Seja bem-vinda de volta!!!!

Aline.

Jamylle Bezerra disse...

Nossa. Sempre me divirto quando venho aqui. A verdade nua e crua sempre aliada ao velho bom humor!!!

Adoroooo

Beijossss

C. Lisdália disse...

hahahaha

Adoreeei a descrição... Gente, aqui em BSB o metro eh um uma insignificancia, nao passa nem perto da minha casa... Nunca andei! Mas pqp, isso ai é mais ou menos parecido como pegar busao! hehehe

Rafael Belo disse...

é um busão enlatado... minha única saudade é... bem... escrever minha coluna "psicologia de ônibus" porque vai ter gente entendedora da vida alheia lá no próximo ponto hauaau Belo texto, me senti lá sufocado só me "abstive" de sentir o tal guarda-chuva da discórdia e ainda me benzo hauahau beijos

Kellen Rodrigues disse...

Beijos mil, Rodrigo. =)

Rafa, Araranguá e Jacinto é o que? meia hora? Tá sussa (como dizem por lá). ;-)

Saudade, Chicuta? oO
Eu tava na zona lost, digo, leste.

Aline: uhuuullll sexta tu vai enjoar da minha voz.

Jamylle: e eu adooooro quando vc vem aqui! Verdade nua e crua? hehehe

Camila, é que em Crici City eu moro mega perto de tudo o que preciso. Nem busão eu pego...rs

Rafael: o lado bom do metrô é ouvir a vida dos outros. Cada tipo, né? Adoro! vamos fazer um livro?